julho 07, 2006




Brazao com corda.JPG


S.Pedro (cartaz) sem letras.JPG


AS
FESTAS DE S.PEDRO
na
PÓVOA DE VARZIM



Consideradas “Festas da Cidade” e coordenadas pela Câmara Municipal, as Festas de S.Pedro na Póvoa de Varzim, resultam da empenhada actividade das Associações de Bairro: Belém, Mariadeira , Matriz, Norte, Regufe e Sul., e das suas comissões executivas expressamente constituídas para o efeito.

Os bairros Norte e Sul estão situados no litoral da zona urbana da cidade enquanto que os restantes se situam mais para o interior.

Existe entre todos um salutar despique no sentido de que a participação global seja a melhor em termos de eficiência e de apreço: que cada um apresente uma rusga diferente com os seus trajes e as suas marchas, que o seu “Trono de S.Pedro” seja o mais original, de melhor efeito as decorações e mais vistosas as iluminações das suas ruas.

.Com meses de antecedência começam em cada bairro, os preparativos para a Festa:
- formação e o apuro da rusga com a criação da letra, da música e da coreografia para a marcha e respectivos ensaios ,
- confecção dos arcos e dos balões, e do carro identificativo que normalmente precede cada rusga
- projecto e execução do carro alegórico para o cortejo luminoso.
e tantas outras minudências próprias das complexas organizações deste género.

A rusga de cada bairro envolve grande quantidade de gente, desde os mais pequenos – a rusga infantil, - até aos seniores e aos veteranos, os músicos, etc.

A confecção da indumentária, fica a cargo de cada componente.
O trajo masculino é idêntico em todos os bairros: camisa branca e calça preta.
O trajo feminino, obedecendo sempre às cores dominantes identificativas do bairro, variam nos detalhes da confecção, e no género dos tecidos utilizados.

Dois pormenores dão realce especial à figura feminina - ou não se tratasse de mulheres com a coqueteria que lhes é peculiar:
- um avental rodado, de fino e aparatoso tecido que envolve cerca de três quartos da cintura, permitindo anenas que se veja, na parte de trás uma nesga do tecido preto da saia – reminiscência deturpada, do belo e elegante avental das antigas tricanas poveiras -
e
- as finas meias de vidro com a sua marcada risca na parte de trás, que sobe pela perna até desaparecer sob a saia, numa subtil insinuação que é o encanto dos olhos.
Este tipo de meias esteve muito em uso no tempo em que as saudosas tricanas da Póvoa trajavam a rigor, o que fazia de cada uma um mimo de graça e de beleza.


3 Tricanas1.JPG


3 Tricanas2.JPG

As raparigas, bonitas e esbeltas que as há muitas por aqui, ostentam, “repesteladas” –termo poveiro que significa “muito vaidosas”- , os seus (estilizados) trajes de tricana que, não tendo a sobriedade e elegância do traje de outrora, são, mesmo assim, vistosos e atraentes.. Nota actual é a muita “prausa” –termo que indica, igualmente, grande apuro, vaidade - com os penteados para esta noite de festa.Os cabeleireiros não têm, nesta altura, “mãos a medir”.


Os ensaios dos passos e voltas que hão-de caracterizar as exibições das rusgas merecem toda a atenção dos ensaiadores e dos músicos.
Embora todos os Bairros se empenhem de igual modo e trabalhem, todos, sem descanso para fazer o seu melhor, é entre o Bairro Norte e o Bairro Sul que essa rivalidade se mostra mais viva.

O GARATUJANDO tem como intento principal tornar mais conhecida a Póvoa de Varzim, as suas gentes, os seus usos, costumes e tradições.
Cabe naturalmente nesse propósito uma componente histórica em que se fale da evolução da cidade e do seu concelho, nas suas várias vertentes: demográfica, urbanística, económica e social.
Virá, pois, a propósito, nesta especial referência a estes dois bairros, uma brevíssima resenha acerca da formação e evolução de cada um, e da sua importância social e turística na Póvoa de hoje.

Os moradores do Bairro Norte e os do Bairro Sul têm origem comum na classe piscatória que inicialmente se havia estabelecido na borda da angra ou enseada, a qual, pela sua morfologia, constituía natural abrigo para os barcos de pesca.

Quando a Póvoa começou a ser vista como potencial estância balnear, o paredão construído no reinado de D.Maria I - e mais tarde alongado - para proteger a frota pesqueira das correntes marítimas que punham em perigo as embarcações, para além da sua função de protecção, viria a constituir, também, divisória natural entre a zona pesqueira e a pequena praia que começava então a ser frequentada pelas populações nortenhas do país.

A actual Avenida dos Banhos era uma sucessão de pequenos portões que davam acesso a casas que tinham frente para a rua paralela à marginal, a Rua Latino Coelho, e que na sua quase totalidade pertenciam a pescadores que tinham saída directa para o mar pelos respectivos quintais.

A praia de banhos foi-se estendendo progressivamente para norte, e a pressão demográfica resultante da frequência cada vez maior dos banhistas resultou numa profunda alteração urbana no norte da cidade, onde as pequenas casas dos pescadores deram lugar a enormes prédios de apartamentos, muito apetecidos por pessoas de fora da Póvoa que, ou vieram para cá residir, ou aqui passaram a ter a sua casa de praia.

Ora, isto teve como consequência que uma parte substancial da primitiva população que vivia no norte, vendidas as suas casas aos que pretendiam espaço para novas construções, se deslocasse, caso após caso, para a zona sul, juntando-se à gente da sua origem, parentes e amigos, que ali permaneciam.
Deste modo a população da zona sul cresceu de tal forma que as residências se multiplicaram exponencialmente, alastrando para zonas administrativamente pertencentes ao vizinho concelho de Vila do Conde (Caxinas e Poça da Barca).
Vilacondenses por imposição burocrática, esses novos moradores, porém, continuam sentimentalmente ligados à Póvoa de Varzim e demonstram, sempre que é oportuno, o seu poveirismo, como acontece agora nas Festas de S. Pedro em que entusiasticamente participam como autênticos poveiros que efectivamente são.

O movimento demográfico resultante dessa transformação fez com que muitos dos actuais moradores da zona norte sejam pessoas sem qualquer afinidade com os pescadores.
Do ponto de vista urbanístico a Póvoa “desfigurou-se” e a sua descaracterização como povoação piscatória foi o preço pago por um progresso nem sempre conseguido da forma mais aconselhável em termos urbanísticos.
Registe-se, contudo, que o que a Póvoa perdeu em tipicidade como vila piscatória, ganhou – e de que maneira ! – em desenvolvimento urbano e em movimento turístico tornando-se na grande zona balnear que hoje é, a mais bela e concorrida praia do norte de Portugal.

Voltemos às Festas de S.Pedro.

Não obstante o que atrás foi referido, continuam a viver no Bairro Norte muitos dos seus antigos habitantes, e são esses que matêm bem vivo um bairrismo que compete vigorosamente com o dos do Bairro Sul, principalmente por ocasião das Festas de S.Pedro.

.Para além de actividades paralelas de carácter desportivo, cultural ou comemorativo, e das cerimónias litúrgicas de homenagem ao Santo Patrono, o programa integra eventos marcadamente populares, como a atractiva e feérica decoração das ruas, entronização do Santo em cada bairro em encenações de belo efeito, desfile e exibição de rusgas,
cortejo luminoso com a participação de carros alegóricos e dos elementos das rusgas de cada bairro, cortejo folclórico e sessão de fogo de artifício.
É um extenso e completo programa que, considerados todos os eventos anunciados, se estende desde 25 de Junho a 17 de Julho.

A chamada “Noite de S.Pedro”, de 28 para 29 de Junho é o ponto mais alto do programa,.
Praticamente toda a população sai para a rua, não para assistir passivamente à Festa, mas para participar activamente nela. Uns, em grande número, integrando-se nas rusgas como activos apoiantes; outros funcionando como vibrantes claques em volta dos palanques montados em cada bairro para exibição da rusga local, e das rusgas rivais que permutam visitas entre si.

Enquanto se espera a passagem das rusgas com o seu interminável cortejo se seguidores, vão-se admirando as iluminações, diferentes em cada rua, e cada ano mais caprichadas.

São também motivo de atenção e agrado as típicas ornamentações de janelas e sacadas, de que o GARATUJANDO fez pormenorizada descrição no posted anterior (30 de Junho último), e as montras de muitos estabelecimentos com a suas decorações apropriadas às circunstâncias.

Entretanto, aqui e ali, há braseiros a assar sardinha, junto de mesas onde não falta a saborosa broa e o vinho verde (que por estes lados não se usa outro), tudo oferecido em expontâneos convites a quem passa, conhecidos ou não.

Junto aos braseiros vê-se madeira velha amontoada, achas, restos de móveis e tudo o que sirva para queimar, para alimentar as fogueiras em redor das quais se desenvolverão, noite fora, as danças e folguedos dos jovens … de todas as idades.



fogueira2.jpg


fogueira1.jpg


No momento em que foram obtidas estas imagens, era ainda bastante cedo. Começavam, a atear-se as fogueiras, mas as danças e folguedos , as sardinhas, o vinho e a broa viriam mais tarde, depois de passadas as Rusgas.


Vejamos outras imagens que apenas darão pálida ideia destas movimentadas e fervilhantes festas da cidade, as Festas de S. Pedro na Póvoa de Varzim.



Corda com ILUMINACOES.JPG



As decoração das ruas principais da cidade, se resultam vistosas e de bom gosto à luz do dia, tornam-se feéricas e de cheias de cor à noite por efeito dos milhares e milhares de pontos de luz nelas utilizados
Numa perspectiva alongada, as ruas transformam-se em autênticos túneis abobadados pelo brilho refulgente de mil cores, de belíssimo efeito cénico.
Não são luzes dispostas ao acaso: elas formam curiosos e bem conseguidos desenhos que reproduzem os mais diversos motivos, com especial incidência sobre a figura do Santo, de símbolos religiosos, de apetrechos de pesca e de pormenores relacionados com cada bairro, numa intencional associação de vários factores comuns.



ilum00.jpg
ilum2_1.jpg
ilum2_2.jpg
Sul.jpg

BAIRRO SUL







ilum4.jpg
ilum5.jpg
ilum6.jpg

BAIRRO NORTE






IlumMatrizDia.jpg
ilum7.jpg
ilum8.jpg
ilum9.jpg MatrIlum4_1.JPG
MatrIlum4_2.JPG/>

BAIRRO DA MATRIZ





Corda com TRONOS.JPG



Trono norte.jpg

BAIRRO NORTE







Trono Sul.jpg

BAIRRO SUL







TronoBelem.jpg

BAIRRO DE BELÉM







TronoRegufe.JPG/>

BAIRRO DE REGUFE







Trono Mariadeira_1.JPG
Trono Mariadeira_2.JPG

BAIRRO DA MARIADEIRA






TronoMatriz.jpg

BAIRRO DA MATRIZ




corda com cortejo.jpg



csul2.jpg
csul1.jpg

BAIRRO SUL






cmatriz2.jpg
cmatriz1.jpg

BAIRRO DA MATRIZ






cbelem1.jpg

BAIRRO DE BELÉM




corda com rusgas.JPG



Belem1_1.JPG
Belem1_2.JPG
Belem2_1JPG.JPG
Belem2_2JPG.JPG
Belem4_1.JPG
Belem4_2.JPG
Belem5_1JPG.JPG
Belem5_2.JPG
Belem6_1.pg.JPG
Belem6_2.jpg

BAIRRO DE BELÉM







Mariadeira1_1.JPG
Mariadeira1_2.JPG
Mariadeira2_1.JPG
Mariadeira2_2.JPG
Mariadeira3_1.JPG
Mariadeira3_2.JPGbr>

BAIRRO DA MARIADEIRA






Matriz1_1.JPG
Matriz1_2.JPG
Matriz2_1.JPG
Matriz2-2.JPG
Matriz ultimo.JPG

BAIRRO DA MATRIZ






RNorte1_1.JPG
RNorte1_2.JPG
RNorte2_1.JPG
RNorte2_2.JPG
RNorte3.JPG

BAIRRO NORTE






carro_1.jpg
carro_2.jpg
Cartazes_1.JPG
Cartazes_2.JPG
Casalinho_1.JPG
Casalinho_2.JPG
Bandeira_1.jpg
Bandeira_2.jpg

BAIRRO DE REGUFE






RBairroSul1_1.JPG
RBairroSul1_2.JPG
RBairroSul2_1.JPG
RBairroSul2_2.JPG
RBairroSul3_1.JPG
RBairroSul3_2.JPG
RBairroSul4_1.JPG
RBairroSul4_2.JPG
RBairroSul5.JPG
RBairroSul6.JPG

BAIRRO SUL

A cidade esteve, no S.Pedro, pejada de gente.
E, na verdade, estas Festas, pelas características que as distinguem de quaisquer outras, pela esfusiante e generalizada alegria que geram, pelas suas magnificas decorações e por tantos e tão variados atractivos que lhes são habituais , bem justificam o elevado número de forasteiros que aqui afluem em número cada vez maior de ano para ano.







A gravura de S.Pedro em fundo azul que encima este posted
foi adaptada do novo PORTAL DA PÓVOA DE VARZIM ver aqui


AGRADECIMENTOS
“TONI – Fotógrafo” Rua Coronel Ondinot, 71
”NIFOTO – Fotografia e Vídeo”, Rua Frei Sebastião, 2 A

pela amável cedência de várias imagens fotográficas que muito vieram valorizar este posted



Barra_20.JPG


Para que o GARATUJANDO possa alcançar a finalidade que se propôs, para que este Blog se torne cada vez mais atractivo e abrangente, para que seja, de facto, o ponto de encontro que pretende ser, convido-o a que participe nele. Registando os seus comentários. Fazendo-me sugestões.
Se se lembra de alguém para quem a leitura do GARATUJANDO pode ter motivos de interesse fico-lhe, também, muito grato pela divulgação.


Contacto:

carlosferreira.2627@sapo.pt


Barra cinzenta.bmp


Posted by carlosferreira14 at julho 7, 2006 02:37 PM
Comments
Caro Amigo, Há 6 anos que me encontro a viver na Póvoa de Varzim, e com o meu mau feitio de "bicho do mato" conheço muito pouco desta linda e boa terra. Com a ajuda do GARATUJANDO, em poucos dias, tenho vindo a conhecer mais do que durante todos os anos juntos. Gostei de toda a informação que se obtem, e fiquei impressionado com a pintura dos godos. o artista é realmente talentoso, sem falar que não tinha a minima ideia das festas populares e religiosas que se realizam durante o ano. Como dizem os Ingleses "carry on with the good work" Um Abraço do, Posted by: Fernando Pegado at julho 9, 2006 11:38 AM
Excelente esta reportagem! Já a vi umas poucas de vezes e não me canso!! Bj ;) Posted by: Menina_marota at julho 18, 2006 11:00 AM
gostei muito de ver as fotos de s.pedro 2006...fiquei admirada pois tem uma foto minha no bairro da matriz...a dançar com mt orgulho a representar o meu bairro....mt bom.. Posted by: Joana poço at dezembro 26, 2006 05:18 PM
Comentário









Lembrar-se de mim?